27/02/2014

O Arroz Doce da minha Avó

receita de arroz doce
receita de arroz doce

Já aqui o tinha referido: o Fabrico Caseiro não é só um blog de partilha de receitas. É também a ferramenta que encontrei para compilar as receitas de família e as que se vão guardando carinhosamente em cadernos e rabiscos, para um dia mais tarde ter o meu arquivo pessoal. É por isso que hoje trago aqui a receita de Arroz Doce da minha Avó. Eu sei, como sobremesa tradicional portuguesa, todos(as) nós devemos ter a nossa própria receita de arroz doce de família. Com mais ou menos gemas. Mais ou menos leite. Sem gemas. Mas acima de tudo nossa. E esta é a minha. A que me foi dada. A que me foi ensinada. Tantas vezes até saber de cor. Faço-a em casa com frequência, não só nos momentos festivos, mas também nas nostálgicas e frias noites de inverno onde a saboreamos ainda quente. E que bem que sabe.  Mas confesso que é diferente de todas as vezes que, em miúda, pulava da cadeira de colher de pau em riste e rapava o tacho todo, num gesto maroto e guloso que ainda hoje me faz rir baixinho, embrenhada nas lembranças de infância ainda tão presentes.
Mais uma receita. Mais uma história. Mais uma página escrita e guardada com carinho no baú das coisas boas. Porque afinal nada é apenas uma receita...
Até breve!


O ARROZ DOCE DA MINHA AVÓ

ingredientes 
(usar sempre a mesma chávena como medida)

1 chávena almoçadeira (pode ser uma tigela) de arroz carolino
1 chávena e meia de água quente
1 pitada de sal
3/4 de chávena de açúcar
2 cascas translúcidas de limão
1 pau de canela
2 chávenas e meia de leite meio-gordo morno
1 c.sopa de manteiga vegetal
4 gemas (à temperatura ambiente)
canela em pó para polvilhar

preparação

1. Lavar e cozer o arroz em 2 chávenas bem cheias de água quente com uma pitada de sal, em lume brando. Deixar absorver completamente toda a água, verificando se o arroz está bem cozido (caso seja necessário, juntar mais um pouco de água).
2. Acrescentar ao tacho o açúcar, as cascas de limão, o pau de canela, o leite e a manteiga vegetal e mexer até o açúcar se dissolver
3. Continuar a mexer suavemente, até sentir que o preparado começa a ferver e a engrossar ligeiramente (cerca de 6 a 8 minutos)
4. Entretanto, mexer as gemas numa tigela até ficarem desfeitas
5. Acrescentar duas a três colheres de sopa do preparado e misturar bem (serve para aquecer as gemas e não correr o risco de estas talharem quando as deitarmos no tacho ao lume)
6. Retirar as cascas de limão e o pau de canela e acrescentar em fio as gemas, mexendo sempre, em lume brando, até o preparado engrossar (mais 3 a 5 minutos), retirando do lume conforme o gosto, isto é, mais ou menos líquido (cá em casa gostamos do arroz bastante cremoso, pelo que o retiro do lume ainda bastante líquido; ao arrefecer, absorve o líquido residual e mantém a cremosidade)
7. Verter o arroz para uma taça ou tacinhas individuais e polvilhar com canela em pó
8. Servir morno ou frio

19 comentários:

  1. Eu adoro ficar a conhecer este tipo de receitas com historia e que marcaram a vida de quem escreve um blog. O arroz doce a mim também me trás memorias de infância e tal como tu dizes: "Porque afinal nada e apenas uma receita...". Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. olá
    que arroz doce maravilhoso.
    como algumas vezes, gostaria que fossem mais.
    as fotografias estão apetitosas.
    o texto como sempre divinal.
    adorei
    continua
    bjs

    ResponderEliminar
  3. É maravilhoso, o da minha avó também é o melhor.
    Bjs, Susana

    ResponderEliminar
  4. As receitas das Avós são sempre deliciosas e trazem tão boas recordações!

    ResponderEliminar
  5. Receita tão boa! E se é da avó só pode ser maravilhosa!
    Guarda bemessa preciosidade!
    Lindas fotos, Patrícia!
    Beijinhos

    Sílvia

    ResponderEliminar
  6. Que lindo que ficou o teu arroz doce!
    Eu associo arroz doce à avó! :)
    Está com um aspecto fantástico e as fotos estão lindas.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Tenho uma muito má relação com o arroz dece. Certamente que advém do facto de não o saber fazer! Vou testar esta receita a ver se é desta que passa este ódio culinário!

    ResponderEliminar
  8. Estas receitas com história, com memórias que aquecem o coração são das melhores que podem fazer parte do nosso repertório culinário... um arroz doce bem apetitoso!
    Beijinhos e boa semana!

    ResponderEliminar
  9. Adoro arroz doce e este teu tem um aspecto mesmo fantástico!!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  10. Querida Patricia,
    estes posts para mim sao mesmo muito especiais.
    Acredita que me emocionei ao ler este teu.
    O arroz doce que aprendi com a minha avó e mãe é como dizes, faz parte da nossa história, da nossa família.
    E como eu adoro arroz doce, ainda morninho e cheio de canela.
    Que bom! Um beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Que aspecto delicioso! Comia bem agora uma dessas tacinhas, gosto tanto de arroz doce! :)

    www.chamavalheumfigo.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  12. Experimentei hoje. Perfeito. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  13. Que lindo
    Parece divinal
    As taças também são lindas !!! Onde adquiriu as taças ? Beijinhos e obrigada
    Parabéns pelo blog :) lindoooooo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sílvia,

      as taças foram compradas na loja Grestel Factory, em Aveiro, o Mercado Manuel Firmino, bem no centro da cidade.
      Um beijinho

      Eliminar
  14. Estou a fazer agorinha mesmo, depois conto como foi, mas parece-me muito liquido mesmo

    ResponderEliminar
  15. Comigo não resultou. O facto de ter posto logo o açucar, não deixou o arroz cozer no leite. Falando em avós, já dizia a minha "o açucar é a última coisa a pôr-se, senão o arroz não coze...".
    Mas enfim, quis inovar e só estraguei comida.
    Muito obrigada.

    ResponderEliminar
  16. Viva.

    Experimentei o arroz. E ficou muito bom. Só uma questão de acertar no ponto para a consistencia.
    Costumava ver a minha avó fazer o arroz doce, mas nunca me preocupei em ver as quantidades. Há coisas que pensamos que nunca vão acabar. Tinha experimentado uma vez ha anos mas com maus resultados. Desta feita a coisa correu bem e acho que de sabor ficou muito parecido com o da minha avó. (agora tenho que experimentar a aletria).

    Obrigado por ter partilhado.

    Luis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luís!
      Fico feliz por ter gostado da receita e de o ter feito relembrar boas memórias.
      Na doçaria, as quantidades são mesmo importantes, pelo que o aconselho sempre a usar as medidas que constam das receitas.
      Um beijinho

      Eliminar

Obrigada a todos(as) pela visita ao meu blog!
É um prazer poder partilhar as receitas que cozinho com tanto carinho e dedicação!